A Salvação Não Vem Pelas Obras



Texto Bíblico: Efésios 2. 8 – 9: “Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.”


Muitas pessoas dizem que não precisam ir para a Igreja porque elas não fazem nada de errado e vivem direito, não roubam, não matam, são fiéis às suas famílias.  Há pessoas que acham que apenas aqueles que cometem crimes ou pecam (no sentido de violar as leis) é que precisam ser lavados e regenerados.
Geralmente nós ouvimos isso das pessoas que são boas, que realizam boas obras. Elas ajudam os necessitados: doam roupas, alimento, visitam hospitais. 

E às vezes elas acreditam em Deus, acreditam em Jesus, mas não acham que precisam de um compromisso firme com Ele; não querem frequentar Igreja, não precisam fazer parte de uma Igreja para serem salvos, afinal são boas pessoas.
Eu também pensava assim. Eu sabia quem Jesus é, e isso era suficiente. Eu não fazia nada de errado, não era má, ajudava o próximo. Meu lugar no céu estava garantido. 

Mas a Bíblia diz, em Efésios capítulo 2, versículos 8 e 9: Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.”

Ajudar os outros é muito bom, Deus se agrada disso. E há recompensa, porque a Bíblia diz que o que plantamos colhemos. Então, se ajudamos, somos ajudados.
Você diz: “Ora, justamente por isso eu não preciso de Deus!” ou: “não há nada em mim que precise ser transformado ou que precise de Jesus”.

A bondade existe onde existe o amor. O amor verdadeiro está em Deus, porque Deus é amor. Sem Deus, quanto tempo dura a sua bondade? Há pessoas que se alguém pisar no pé elas pisam de volta, pra revidar. Se alguém faz uma manobra errada no trânsito elas querem parar para reclamar (e hoje em dia muitos morrem por causa disso). Se um atendente demora de mais, reclamam. Se o troco vem errado, já partem para brigar. É uma bondade de circusntâncias, condicionada às circunstâncias. Se outro for bom comigo, eu serei bom com ele. Se ele for mau, não tem nem conversa. 

A Palavra de Deus diz para retribuirmos o mal com o bem. Então se ele for bom, eu serei bom; se ele for mau eu serei bom ainda. Mas isso é coisa de bobo! Não! Isso é coisa de quem é de Jesus, e só quem tem o Espírito Santo de Deus entende como é agradável fazer bem àqueles que nos fazem mal. 

E mais do que isso: uma pessoa boa de verdade sabe perdoar.

O perdão é algo muito complicado de se fazer. Para qualquer pessoa, crente ou não. Mas o perdão é algo incrível, inexplicável, é tão imenso que nos faz sentir muito bem. O perdão exige humildade. E no mundo em que vivemos, ser humilde de coração é ser trouxa, é ficar para trás. 

É muito difícil perdoar algo que fazem contra nós. Tem pessoas que guardam rancor de coisas bobas: um conhecido que passou e o não cumprimentou; ou uma pessoa que fez uma festa e não a convidou. Tem pessoas que guardam ressentimentos de coisas mais sérias: um assalto, um assassinato, um acidente. 

A ferida que o rancor e o ressentimento deixam é muito forte, e só é curada quando o perdão é liberado. Pode parecer bobeira, mas o alívio do perdão sara a alma abatida. E isso nós aprendemos com Jesus.

Só que algo ainda mais difícil é pedir perdão. O orgulho não nos deixa humilhar diante do próximo. Isso acontece com todas as pessoas, crentes ou não. Mas o Espírito Santo que habita em nós nos auxilia, nos ensina o que fazer. Nos ensina que pedir perdão também é uma forma de amar, de ser bom. É uma obra que aprendemos quando Jesus está conosco. 

Talvez você pense que não há nada errado em você. Talvez não haja; somente Deus sabe disso. Mas a verdade é que a graça do Senhor nos alcançou, e por isso estamos aqui. Não é mérito meu, nem seu. Para a salvação, não é necessário simplesmente ajudar os pobres, por que, que proveito haverá em você se apresentar diante de Deus no Grande Dia com as mãos cheias de obras se você não O conhece?

Porque pela graça sois salvos, mediante a fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus; não de obras, para que ninguém se glorie.”