O Pão Nosso


Texto Base:
”E, partindo Jesus dali, foi para as partes de Tiro e de Sidom.
E eis que uma mulher cananéia, que saíra daquelas cercanias, clamou, dizendo: Senhor, Filho de Davi, tem misericórdia de mim, que minha filha está miseravelmente endemoninhada. Mas ele não lhe respondeu palavra. E os seus discípulos, chegando ao pé dele, rogaram-lhe, dizendo: Despede-a, que vem gritando atrás de nós. E ele, respondendo, disse: Eu não fui enviado senão às ovelhas perdidas da casa de Israel. Então chegou ela, e adorou-o, dizendo: Senhor, socorre-me! Ele, porém, respondendo, disse: Não é bom pegar no pão dos filhos e deitá-lo aos cachorrinhos. E ela disse: Sim, Senhor, mas também os cachorrinhos comem das migalhas que caem da mesa dos seus senhores. Então respondeu Jesus, e disse-lhe: O mulher, grande é a tua f
é! Seja isso feito para contigo como tu desejas. E desde aquela hora a sua filha ficou sã.” 
Mateus 15:21-28

        Este texto da Palavra de Deus é riquíssimo. Vemos aqui, por exemplo, a bondade de Jesus ao atender uma mulher que não pertencia a seu povo, mostrando através de suas obras que não existe acepção de pessoas. Vemos também a fé da mulher, que não desistiu de receber a sua bênção. Jesus continuou andando como se a não estivesse ouvindo, e ainda assim ela continuou clamando até ser abençoada. Ora, sabemos que Jesus nos ouve a todo instante, mas nos responde somente na hora certa. Afinal, seu tempo é o tempo certo!
        Contudo, gostaria de fazer uma reflexão usando como base outro personagem desta passagem: o pão.
Na mesa com Jesus
        Jesus diz à mulher que não é bom deitar o pão dos filhos aos cachorros. O pão aqui representa a bênção. Imagine que da mesma forma que o pai sentado à mesa dá o pão para o filho, assim Jesus nos dá a bênção. Mas, da mesma forma que alguns filhos dão seus pães aos cachorros, assim fazemos nós.



        Nosso maior problema é esquecer que a vontade de Deus é perfeita, boa e agradável. E queremos sempre que a nossa vontade prevaleça. Ora, se preferimos nossa vontade à vontade do pai, estamos recusando o pão que Ele nos dá. É até engraçado: pedimos desesperadamente por uma bênção e quando ela chega nós a desprezamos. Isso acontece, por exemplo, quando um(a) jovem está orando por casamento. Ele(a) faz uma lista cheia de predicados para ter certeza d que vai encontrar a pessoa certa. Aí, Deus traz uma pessoa abençoada, firme na Palavra, firme na fé. E o(a) jovem que tano orou a despreza porque ela não é formada, ou não sabe falar direito, ou tem uma profissão de menos prestígio. E lá se foi o pão para a boca dos cãezinhos.
        Caro leitor, isso acontece o tempo todo. Às vezes, desprezamos as bênçãos de Deus sem ao menos percebermos. Pessoas que são chamadas para serem levitas mas resolvem ser médicos; outros que foram separados para serem professores e resolvem ser advogados. Ainda que sejam bem sucedidos, serão pessoas frustradas. Porque a vontade de Deus é boa, é perfeita e é agradável. Logo, a vontade contrária à de Deus é má, é imperfeita e é desagradável.
É difícil, sim, cumprir o querer de Deus, mas o resultado é maravilhoso. Comer do pão que Jesus dá nos fortifica, nos alimenta. Quando tomamos um café da manhã reforçado, demoramos a sentir fome novamente; temos disposição para trabalhar, estudar. Comendo do pão que Jesus nos dá, não temos necessidade de mais nada.
Estar à mesa com Jesus é inexplicável. Pense no grande banquete que o Senhor nos prepara! Mas voltemos ao pão.
Há crianças que dão seus pães aos cachorros; há crianças que não comem o pão, nem dão aos cachorros: jogam-no fora. Durante o episódio da multiplicação dos pães e peixes, vemos que após a multidão ser alimentada, os pedações que sobraram foram guardados, e não desperdiçados. Deus não gosta de desperdício. Não gosta que desperdicemos a comida, nem as bênçãos que Ele nos dá. Toda vez que desperdiçamos o que Ele nos dá estamos amaldiçoando nosso celeiro.
Para não deixarmos de desfrutar do pão que Jesus nos dá, basta pedirmos pela vontade dEle em nossas vidas. Se pedirmos para Ele fazer conforme Sua vontade, não teremos que enfrentar o dilema de fazer o que queremos ou o que Jesus quer que façamos. A vontade dEle é melhor que a nossa, sim. Mas não faço o bem que quero, mas o mal que não quero esse faço. (Romanos 7:19)
As Migalhas
Jesus disse à mulher cananéia que não é bom tirar os pães das crianças e dá-los aos cachorros. A mulher, porém, respondeu que os cachorros comem as migalhas que caem da mesa. Quando somos abençoados, outras pessoas também são. Não quero que pensem aqui nas migalhas como resto do pão, mas como reflexo das bênçãos de Jesus em nossas vidas. Quando estamos à mesa ceando com o Pai, os reflexos de nossa comunhão com Ele alcançam as vidas de outras pessoas também. Dessa forma, as “migalhas” também alimentam os demais povos.
Os Povos Desejam o Pão
Quando temos pão, podemos dar aos outros. para termos o pão, precisamos estar à mesa com Jesus. Ele nos dá o pão, nos alimentamos, abençoamos outras pessoas. E, podemos compartilhar do que recebemos. Não é uma ilustração das migalhas que caem da mesa. As migalhas refletem as bênçãos de Deus em nossas vidas. A questão é que, tendo o pão podemos parti-lo com os demais. Estamos à mesa com nosso Pai. Da mesma forma que o pai dá a seu filho o pão para alimentá-lo, nosso Pai nos deu o Pão da Vida: Jesus.
O Pão que temos para compartilhar com as pessoas é Jesus. E as pessoas têm fome do Pão da Vida! Uma das matérias do programa Fala Que Eu Te Escuto dessa semana mostrou como pessoas são enganadas por estelionatários que prometem cura, trazer a pessoa amada... Por que será que há tantas pessoas caindo nesses golpes? Elas estão com fome! Precisam de pão! Precisam de Jesus! E, por estarem com fome, buscam qualquer coisa para se alimentarem. Nós temos o Pão da Vida. Vamos alimentar os povos! Vamos levar alimentos sólidos a todos!