Testemunhos

Os Frutos de Quem Espera com Paciência


"Esperei com paciência no SENHOR, e ele se inclinou para mim, e ouviu o meu clamor."
Salmos 40.1

Esperar no Senhor é a atitude básica de todos os cristãos. Porém, alguns se esquecem disso quando o assunto é relacionamento amoroso. Por isso, gostaria de compartilhar minha experiência com Deus. Ele é tão bom, que nos abençoa em todas as áreas. Mas é preciso esperar nEle.

Eu tinha vinte anos. Trabalhava, fazia faculdade. Estava terminando o curso de inglês. Mas não saía muito, nem tempo eu tinha para isso. Minhas colegas do trabalho começaram a me convidar para ir a uma boate, apenas para dançarmos e nos divertirmos. A ideia me pareceu ótima. Mas minha mãe, que não era evangélica, insistiu muito para que eu não fosse. Disse que eu precisava antes de um namorado. E mais: me orientou a ir à Igreja em frente à minha casa para arrumar um namorado lá. Isso é conselho? Eu sabia que não iria à Igreja para conhecer alguém que me levaria para a boate! Acho que ela não tinha nenhum outro argumento naquela ocasião. E diante de sua insistência não saí com as meninas.
Dois anos se passaram. Deus me levantou de madrugada duas vezes seguidas mandando-me ir até à Igreja. Fui. Me converti. E comecei a trabalhar com dança, teatro, evangelismo. Nem pensava em namorar. Glorifico o Nome do Senhor por isso! Tive a oportunidade de me dedicar à casa de deus com todas as minhas forças. Pude testemunhar Seu poder, ver Sua forte mão em ação.
Então, vieram as “amigas”. Elas não apenas falavam em namorar como começaram a escolher pretendentes para mim. Falaram de um tal músico chamado Leandro. Eu estava lá há mais de um ano e nunca ouvira falar desse aí. Nunca tinha visto. Mas elas insistiram. Meses! Até o dia em que o vi. Nossa – meu coração disparou – foi amor à primeira vista! Eu fiquei encantada. Nem sei explicar o que aconteceu. E nem imaginaria o que os meses seguintes me reservavam.
A imagem daquele rapaz tocando violão não saía da minha cabeça. Estava realmente apaixonada. Tinha apenas um problema: ele não me conhecia. Tudo bem, era um grande problema. Eu não poderia simplesmente ir e falar com ele, nem o conhecia. Resolvi deixar para lá. Mas aquele sentimento só cresceu. Então eu fui perguntar para Deus. Afinal, Deus sabe de todas as coisas. Eu orei, e falei com Deus o seguinte: se até o dia 09 nós tivermos a oportunidade de conversar (porque nunca conversamos) então eu vou saber que ele será meu namorado. Era dia 08! Ai, um dos dias mais longos de todos. Fomos a um casamento, ficamos na mesma roda de amigos, mas não trocamos uma palavra. Chegou o dia 09. Era domingo. O culto começou, o culto terminou. Houve uma reunião. E nada de conversa... resolvi ir para o portão. Quando ele fosse embora, teria que passar por lá. E aconteceu (depois de bastante tempo). Ele veio, me olhou, e perguntou inocentemente o que eu fazia parada ali. E eu disse “estou pegando um sol”. O dia estava nublado, mas isso não importava: nós conversamos, e por horas. Eu agradecia a Deus em pensamento enquanto conversávamos. Achei que já estava tudo certo. Mas eu ainda não sabia que para chegarmos ao oásis precisamos passar pelo deserto.
Houve culto aquela tarde, na rua. Achei que teríamos nova chance de conversar, mas o tempo não permitiu. Estávamos todos voltando juntos, pois ainda haveria ensaio de uma nova peça, e eu era a responsável. Deus já havia confirmado que seria ele, então fui trabalhar! No final daquele dia, eu fui pedida em namoro... por outra pessoa! Eu levei um susto! Tentei ser super gentil ao recusar, mas não iria perder o meu foco. Deus me deu a resposta que eu tanto desejara!
Isso aconteceu em dezembro. Nós começamos a namorar si, em agosto do ano seguinte. Confesso que esses foram os meses mais difíceis da minha vida. Ele estava um tanto “enrolado” com sua ex, e eu jamais iria ate lá fazer ou falar algo. Tudo o que fiz foi convencê-lo a participar da nova peça. Com segundas intenções, sim, mas eu não perdi o foco da adoração. Enquanto ensaiávamos eu tratava a todos da mesma forma. Apenas passamos mais tempo juntos, mas ninguém jamais diria que eu gostava dele, eu acho. O problema é que eu me esqueci do que Deus me falara. Não fiquei com ninguém, apesar das “amigas” terem me arranjado uns sete pretendentes. Eu não seria capaz de trair meu coração. Então, comecei a orar a Deus pedindo para esquecê-lo. Isso mesmo. Eu não aguentava mais! Só Deus via minhas lágrimas à noite. Era inevitável.
Quando achei que não teria mais jeito, veja só, ele começou a puxar conversa, por intermédio de uma das “amigas”. Passávamos a madrugada no msn. Eu não acreditava que fosse dar em algo, dado tudo o que passei. Conversa vai, conversa vem, ele veio até minha casa, conversamos por três horas. Fui sincera: disse que era meio louca, completamente chata e que não sabia cozinhar. Para não ter reclamação depois! E, no dia seguinte, começamos a namorar! Ele ainda estava com o pé atrás, tinha sofrido um pouquinho com sua ex, mas eu estava segura. Eu lembrei do que Deus havia me falado no ano anterior, e pedi para que ignorasse aquela outra oração, para esquecer meu amado.
Nesse período de longa espera, muitas coisas aconteceram. Eu poderia ter cedido às pilhas e ficado ou namorado alguém. Nesse mesmo período, um colega nosso trocou duas vezes de namorada. Outros casaram e depois de algum tempo se separaram. Sei que nosso exemplo não é único: há muitas mulheres e homens que esperam em Deus e são abençoados. Deus revela o que tem preparado para eles, como revelou para mim. Porém, é preciso esperar em Deus.  O Senhor conhece nossa motivação; sabe porque frequentamos tal congregação, participamos de determinado ministério. Ele sabe se queremos ser vistos por alguém, se queremos conquistar alguém, ou se queremos fazer a Sua obra. Por isso, eu louvo a Deus por nunca ter deixado um trabalho em Sua casa para tentar conquistar o Leandro. E hoje, nós estamos casados.
O Senhor cumpre com Suas promessas. Ele não é homem para menti. Mas nós precisamos ser fiéis. E Ele, com toda certeza, nos dará tudo em Cristo Jesus: família, saúde, prosperidade. É como a Bíblia diz: “buscai em primeiro lugar o Reino de Deus e a Sua justiça, e todas demais coisas vos serão acrescentadas.” (Mateus 6.3)

Glória a Deus!




O Desafio de Ser Fiel


”E direis naquele dia: Dai graças ao SENHOR, invocai o seu nome, fazei notório os seus feitos entre os povos, contai quão excelso é o seu nome.”

Isaías 12.4


Gostaria de compartilhar algo que aconteceu em 2007. Eu era ainda nova na fé, e não entendia o que a entrega dos dízimos representava.

Antes de me converter, assistia aos programas que passavam na TV, como Show da Fé, Vitória em Cristo, e da Igreja Apascentar. Sempre que o missionário R. R. Soares falava do patrocínio eu trocava de canal. Achava aquilo um absurdo, que ele estava vendendo as bençãos! Mas, um dia, o Espírito Santo me tocou e me incomodou a ser patrocinadora. Até então, eu não era dizimista. Pensei: se ajudo o programa da tv então preciso ajudar a igreja onde congrego também.  Mas minha intenção era ajudar, e não ser fiel. Afinal de contas, a entrega do dízimo representa essencialmente fidelidade ao Senhor. Mas eu não sabia disso! Na verdade, eu não tinha esse entedimento. Para mim, Deus não precisava do meu dinheiro. Na verdade, Deus não precisa. Mas a casa dEle sim. A obra dEle, sim. A causa dEle, sim.

Ainda me lembro das conversas que tive com Deus naqueles meses. Ele deve ter rido de mim! Eu dizia que iria só fazer um teste, entregando o dízimo uma vez, e que era para Ele não se acostumar, porque talvez no mês seguinte eu não tivesse o que entregar. Que bom que Deus é misericordioso! Bom, entreguei o dízimo pela primeira vez. Acho que foi em fevereiro daquele ano. Fiquei contente, nem conseguiria exolicar o que aconteceu!

O mês seguinte, porém, me reservaria uma surpresa: uma colega, que me devia R$ 80,00 não me pagou. Falei pra Deus: esse mês não tem dízimo. Eu não poderia deixar de pagar minhas contas! Foi aí que Deus falou comigo enquanto assistia a um programa de tv. Ele me fez perceber a importância de ser fiel. Deus me falou que tudo está nas mãos dEle, e eu precisaria apenas crer! Que palavra! Lembro-me de ir para o quarto, ajoelhar e orar aceitando o desafio de ser fiel. Decidi, naquele momento, que a primeira parte do que eu recebesse pertenceria ao Senhor, e a outra parte também. E as contas, também! Na verdade, deixei de me preocupar com as outras coisas.

Bom, faltaria R$ 80,00, naquele mês, após decidir entregar a primícia ao Senhor, fui receber meu salário, e havia R& 80,00 a mais na conta! E não é só. O valor que recebi não apenas foi sufuciente para pagar todas as contas como ainda sobrou!

Depois desse dia, houve inúmeros momentos em que Deus multiplicou o meu dinheiro, a ponto de eu guardar um valor na gaveta e pegar um valor mais alto depois. Deus é maravilhoso e fiel!

Sou muito grata a Deus pela Sua fidelidade, pois Ele nunca me desamparou, nem mesmo financeiramente. E isso não acontece apenas porque eu entrego meu dízimo ao Senhor. É necessário ser fiel. Deus sabe quem entrega com alegria e que acha que Ele é um banco. Deus conhece os corações que são abertos a dar, a ajudar, a ofertar.

Existem muitos crentes que pensam como eu pensava antes. Ou que acreditam que o pastor ou tesoureiro fará mau uso do dinheiro. Querido irmão, faça a sua parte! A Bíblia nos diz que nós precisamos ser fieis nos nossos dízimos e ofertas, caso contrário estaremos roubando de Deus (Malaquias 3.8-10)! Não se preocupe com os outros. Deus não se deixa escarnecer (Gálatas 6.7)! Se houver alguém usando Seu nome impropriamente, ou sendo infiel, Ele resolverá. (Salmos 94.1)

Cabe a cada um de nós a fidelidade ao Senhor, porque Ele é fiel, sempre.